FRAMEWORK SCRUM


Introdução

O Scrum é um framework para desenvolver e manter produtos complexos que também pode ser utilizado no gerenciamento ágil de projetos que se destinam também a criação de produtos. O Scrum apesar de muito difundido e utilizado na área de desenvolvimento de software, pode muito bem ser utilizado no desenvolvimento de qualquer produto complexo, principalmente pela sua característica de ser um framework iterativo e incremental.

Conteúdo

Nas últimas décadas o Scrum vem sendo extensivamente utilizado no mundo inteiro para:

- Pesquisar e identificar mercados viáveis, tecnologias e funcionalidades de produtos
- Desenvolver produtos e suas melhorias e evoluções constantes
- Liberar produtos e suas melhorias com alta frequência, podendo chegar a várias liberações diárias
- Desenvolver e sustentar a Nuvem, além de outros ambientes operacionais para o uso de produtos
- Sustentar e renovar produtos

O que reforça a flexibilidade e possibilidade de uso do Scrum são os inúmeros casos de utilizar do framework para desenvolver software, hardware, software embarcado, redes de funções iterativas, veículos autônomos, escolas, governo, marketing, gerenciar operações, e quase tudo que usamos no nosso dia-a-dia nas nossas empresas e nas nossas vidas.

O Scrum é muito efetivo na transferência de conhecimento de forma iterativa e incremental, por isso esta cada vez mais sendo utilizado para produtos, serviços e no gerenciamento da própria empresa.

A ideia principal do Scrum é que um pequeno time de pessoas pode tratar e resolver problemas complexos e adaptativos, enquanto entregam produtos de forma produtiva e criativa. O Scrum é fundamentado no controle de processos empíricos, mantendo o foco na entrega de valor de um negócio no menor tempo possível através do aperfeiçoamento da previsibilidade e do controle de riscos.

Uma das características mais conhecidas do Scrum é a que mostra que os trabalhos de desenvolvimento são divididos em ciclos repetitivos (iterações) e curtos (períodos de até 1 mês), permitindo que o produto possa ser modificado e adaptado corrigindo desvios encontrados (incrementos) mais rapidamente e com menor impacto.

O framework Scrum é simples de entender, e para ajudar você a compreendê-lo eu separei abaixo alguns tópicos que resumem o Scrum.

A origem do Scrum

Scrum é o nome de uma das jogadas do esporte conhecido como Rugby, tendo como principal característica a formação que pode ser visualizada na imagem acima, destacando o trabalho em equipe e o foco do time em um único objetivo.

É uma das jogadas mais conhecidas do Rugby, onde os jogadores disputam a reposição de bola, e onde é necessária a participação de todos os jogadores do time atuando em conjunto no mesmo objetivo, sendo que se um deles falhar, todos falham. Este trabalho em equipe é bem caracterizado no framework do Scrum, por isso o seu nome vem daí.

INTRODUÇÃO AO SCRUM

De acordo com o Guia do Scrum, de Ken Schwaber e Jeff Sutherland, o Scrum vem sendo utilizado no desenvolvimento de produtos complexos desde os anos 90.

Scrum não é um processo ou uma técnica, mas sim um framework dentro do qual pode ser empregado diversos processos ou técnicas, tendo como papel fazer transparecer a eficácia relativa das práticas de desenvolvimento de produtos para que seja possível melhorá-las, enquanto provê um framework dentro do qual possa ser desenvolvido produtos.

FRAMEWORK

Já que o Scrum é um framework, e se fala muito nesta palavra hoje em dia, vamos conceituar seu significado para que todos tenham o mesmo entendimento.

Framework conceitual, ou arcabouço, é um conjunto de conceitos usado para resolver um problema de um domínio específico, sendo que existem dois tipos:


Frameworks verticais, ou também conhecidos como especialistas, são confeccionados através da experiência obtida em um determinado contexto específico, tentando resolver problemas de um determinado domínio de aplicação.

Frameworks horizontais não dependem do domínio de aplicação e podem ser usados em diferentes domínios.

Agora fica mais fácil ouvir a palavra framework e contextualizar o seu significado.

TEORIA


Scrum é fundamentado no controle de processos empíricos, empregando uma abordagem iterativa e incremental para otimizar a previsibilidade e o controle a riscos. Para se implementar qualquer controle a processos empíricos, são necessários os seguintes pilares de sustentação:

Transparência


Este garante que os aspectos do processo que afetam o resultado devem ser visíveis e conhecidos aos que controlam o resultado, ou seja, quando alguém inspeciona o resultado e dá como pronto, isso deve ser equivalente a definição de pronto utilizada.

Inspeção


Os artefatos e processos devem ser totalmente inspecionados com uma frequência suficiente para que as variações possam ser detectadas, considerando que o processo e artefatos podem ser modificados pelo próprio ato de inspecionar.

Adaptação


Se durante a inspeção for determinada uma variação fora dos limites aceitáveis em um ou mais aspectos do processo, e que o produto resultante será inaceitável, o processo ou material produzido deve ser ajustado o mais rápido possível para que os desvios futuros sejam minimizados.

O Scrum prescreve 4 eventos formais para inspeção e adaptação:

Planejamento da Sprint
Reunião Diária
Revisão da Sprint
Retrospectiva da Sprint

CONTEÚDO

O framework Scrum consiste em um conjunto formado por papéis, eventos, artefatos e regras que são associados a times pequenos.
Os Times Scrum possuem papéis e responsabilidades associadas aos integrantes do time, que juntos realizam eventos específicos com uma duração fixa e objetivos pré-determinados.
Para realizarem estes eventos, o Time Scrum, usa como apoio artefatos específicos e aplicam regras que unem os eventos, os papéis e os artefatos.
Para saber mais do Scrum, entender melhor o seu conteúdo e saber como aplicá-lo, continue lendo os tópicos distribuídos nesta área exclusiva sobre Scrum clicando nas abas na parte superior desta página ou nos links a seguir:

Papéis e responsabilidades
Artefatos Scrum
Planejamento da Versão de Entrega
Sprint
Planejamento da Sprint
Estimativas
Reunião Diária – Daily Meeting
Revisão da Sprint – Review
Retrospectiva da Sprint
Manifesto Ágil

Dica: Para complementar seu conhecimento sobre o Scrum leia na íntegra o Guia do Scrum, de Ken Schwaber e Jeff Sutherland. Uma cópia do guia em PDF pode ser encontrada no idioma português do Brasil, onde eu mesmo fui o tradutor oficial clicando aqui.