CRONO E GRAMA EM “A GRANDE VENDA”